McLaren: 750S é o início do fim para os V8 puros da empresa

19/11/2023 11:54 || Atualizado: 19/11/2023 11:54

Se você é fã dos esportivos a combustão da marca, esta pode ser sua última chance

Embora produzam menos carros do que as montadoras convencionais, as empresas do setor de supercarros não estão imunes às regulamentações de emissões cada vez mais rígidas. Essa é a razão pela qual os veículos de alto desempenho têm recebido doses pesadas de eletrificação nos últimos anos, tanto que os híbridos da Ferrari agora estão superando a venda de carros com motor a combustão.

A rival da Ferrari, a McLaren, já conhece este caminho, tendo apresentado o P1 híbrido ainda em 2012. Em 2023, o Artura é o atual esportivo híbrido plugin da marca britânica com um V6 menor, mas se você quiser uma experiência de motor a combustão puro, terá que comprar o 750S.

E mesmo o modelo apresentado há pouco já tem data para acabar. O diretor técnico da McLaren, Charles Sanderson, diz que o trem de força somente V8 turbo já estaria fazendo hora extra neste mundo. Ele sugeriu que o 750S pode muito bem ser o último carro de produção em série da empresa a oferecer um V8 e, ao mesmo tempo, ignorar a eletrificação. Ele deixou em aberto que edições especiais de tiragem limitada ainda poderão surgir com V8 e sem eletrificação, mas em números muito pequenos.

Veja o que ele disse em uma entrevista à revista australiana CarSales: "Nunca vou me comprometer formalmente com isso, mas acho que é provável que seja o último V8 de produção em série não eletrificado, apenas em torno dos regulamentos globais com relação à combustão interna. Gostaríamos muito [de mantê-lo em funcionamento] porque a combustão interna tem algo de especial e existe um mercado para ela. Nós gostamos e acho que os clientes adoram".

Ele prosseguiu dizendo que, embora o motor de combustão interna proporcione uma "experiência muito pura", a McLaren está mantendo suas opções em aberto, analisando a  eletrificação. Sanderson mencionou que a empresa está explorando todas as opções de trem de força. No entanto, é improvável que um supercarro totalmente elétrico seja lançado em breve. No início de outubro, o CEO da McLaren, Michael Leiters, revelou que acha que a tecnologia não estará pronta para "supercarros de verdade" até 2030. É claro que as pessoas por trás do Rimac Nevera e do Lotus Evija discordariam.

Durante muitos anos, a McLaren se concentrou apenas em supercarros, ignorando o lucrativo segmento de SUVs por medo de que isso diluísse a marca. A nova equipe de gerenciamento vê as coisas de forma diferente, pois não descartou completamente um modelo utilitário esportivo. No entanto, isso vai demorar um pouco. Em uma entrevista anterior durante o Festival de Velocidade de Goodwood, Leiters mencionou que a empresa terá que começar a ganhar dinheiro de verdade antes de lançar um SUV.